---------------------- -------------------------------- -------------------------------- --------------------------------- ENEJOTABE

BANNER DE MEUS BLOGS

============================== TOQUE A SUA MÚSICA ====================================

sexta-feira, 19 de maio de 2017

COISAS DE ITALIANOS...

Saluti a tuti amici... LE COSE GLI ITALIANI COISAS DE ITALIANOS... Aprendemos a viver com os italianos e a programar a vida com os americanos. Contudo, os italianos crescem e morrem juntos com suas famílias, amigos e irmãos, enquanto os americanos crescem e morrem sozinhos, pois foram expulsos de suas famílias aos 18 anos e não aprenderam a conviver com o coração com seus pais, amigos e irmãos. Veja abaixo o que acontece no decorrer da vida. Filhos Americanos: Saem de casa até aos 18 anos com total apoio dos pais. Filhos Italianos: Saem de casa aos 35 anos, depois de poupar o suficiente para comprar casa e pagar duas semanas de lua de mel quando casarem... Mesmo assim, mantém um quarto na casa dos pais para os fins-de-semana. Filhos Americanos: Quando a mãe os visita leva um bolo, os filhos servem café e eles conversam. Filhos Italianos: Quando a mama os visita, leva comida para 3 dias, lava e passa roupa, limpa e arruma a casa. Filhos Americanos: Os pais sempre avisam quando vão visitá-los e isto acontece só em ocasiões especiais. Filhos Italianos: Eles nunca sabem quando os pais vão aparecer às oito da manhã de sábado e começar a podar as suas árvores frutíferas. E, se não houver árvores frutíferas, eles plantam. Filhos Americanos: Sempre pagam aluguel e procuram nas páginas amarelas quando precisam de algum serviço. Filhos Italianos: Ligam para os pais e tios, pedindo o telefone de outros pais/tios que possam saber do serviço que eles precisam. Filhos Americanos: Visitam os pais para comer um bolo com café - e fazem só isso, mais nada. Filhos Italianos: Visitam os pais para tomar um café, comer bolo, antipasto, vinho, um bom prato de massa, carne, salada, pão, sobremesa, frutas, expresso e uns drinks após o jantar. Filhos Americanos: Cumprimentam os pais com "Oi" e "Olá". Filhos Italianos: Cumprimentam os pais com um grande abraço, beijos e tapinhas nas costas. Filhos Americanos: Tratam os pais por sr. e srª. Filhos Italianos: Tratam os pais por mamma e babbo.. Filhos Americanos: Nunca viram os pais chorar. Filhos Italianos: Choram junto com os pais. Filhos Americanos: Devolvem o que pedem emprestado aos pais em poucos dias. Filhos Italianos: Ficam com as coisas que emprestam dos pais por tanto tempo que os pais esquecem que são deles. Filhos Americanos: Quando o jantar acaba vão para casa. Filhos Italianos: Quando o jantar acaba ficam horas conversando, rindo ou simplesmente confraternizando. Filhos Americanos: Sabem pouco sobre os pais. Filhos Italianos: Podem escrever um livro sobre os pais. Filhos Americanos: Comem sanduíches de manteiga de amendoim, geleia e pão de forma branco. Filhos Italianos: Comem sanduíche de salame, queijo colonial, pão caseiro, crostoli, conservas, Chiant roso Filhos Americanos: Deixam você para trás se é isto que a maioria está fazendo. Filhos Italianos: Não lhe abandonam mesmo que a grande maioria ache normal abandonar. Filhos Americanos: São amigos do momento. Filhos Italianos: São amigos por toda vida. Filhos Americanos: Gostam de Rod Stewart e Steve Tyrell. Filhos Italianos: Gostam de Laura Pausini e Andrea Bocelli Filhos Americanos: Vão ignorar esta mensagem. Filhos Italianos, portugueses, espanhóis... vão repassar per tutti gli amici oriundi... bacio a tutti !!!! ARRIVEDERCI !!!

quinta-feira, 12 de janeiro de 2017

Alho e os seus benefícios para a saúde

Alho e os seus benefícios para a saúde Posted by Thoth3126 on 12/01/2017
Dez surpreendentes benefícios à saúde ao se consumir alho O Alho é bem conhecido como um remédio natural para se manter a saúde e que ao longo da história humana tem sido muito utilizado por todas as culturas para o tratamento de várias doenças. É extremamente fácil de se obter o alho na maioria dos países e podem ser preparados ou consumidos frescos… Tradução, edição e imagens: Thoth3126@protonmail.ch Alho e os seus benefícios para a saúde – By Natural Blaze http://www.naturalblaze.com … Ele pode ser facilmente incluído na sua alimentação ou pode ser consumido por conta própria. Você não precisa se limitar ao alho fresco também. Alho em pó ou flocos de alho secos são tão eficazes e super fácil de se manter no armário para o consumo diário. Recomenda-se que adultos consumam mais de um cravo de duas ou três vezes por dia e que as crianças com um quarto à metade de um dente, uma ou duas vezes por dia.
Como você vai ver na lista abaixo, alem de ser um saboroso tempero universal de quase todos os pratos cozidos, o alho tem algumas habilidades incríveis para ajudar na saúde em nossas vidas diárias. Quando usado para fins medicinais, o alho pode ajudar a tratar uma ampla variedade de doenças, bem como fazer o seu jantar ter um gosto incrível . Se você está interessado em saber como o alho pode ser usado para ajudar na sua saúde, sente-se e leia os nossos 10 benefícios surpreendentes do consumo do alho para nossa saúde! 1. O alho tem sido usado para ajudar os bebês a ganhar peso enquanto estão no útero. Da próxima vez que você tiver um bebê se preparare para ter bafo de alho. Exceto se você tem um histórico de bebês grandes, caso em que talvez você queira pular as doses extras? 2. O alho fortalece o sistema imunológico, bem como ajuda a combater infecções no peito, tosse e congestão. Nos meses de inverno o alho é um ótimo alimento para reforçar o seu sistema imunológico e evitar gripes e resfriados. Um remédio popular antigo é comer um dente de alho que foi mergulhado em mel no primeiro sinal de um resfriado. Por que não experimentá-lo e ver se ele funciona para você? 3. O alho contém altos níveis de iodo o que o torna um produto muito eficaz no tratamento para as condições de hipertireoidismo. O tratamento com alho mostrou melhorar significativamente esta condição. 4. O escorbuto é tratado pela vitamina C e o alho contém bons níveis de vitamina C também. 5. O Folclore popular diz que o alho é bom para mais do que assustar vampiros famintos e mantê-los longe! A impotência tem sido tratada com alho, e o tratamento continua em muitas comunidades até hoje. Por que não tentar tratar-se com alho por vários meses antes de ir ao médico para que receite Viagra? 6. A doença cardiovascular pode ser reduzida por meio da ingestão de alho. O colesterol LDL não é amigo de alho e os depósitos de placas na aorta que se reúnem nas paredes das veias do seu corpo pode ser reduzido com o uso de alho também. Estudos têm demonstrado os benefícios surpreendentes de se ingerir alho em relação à doença cardíaca.
1. Infecções vaginais fúngicas e bacterianas são eliminadas quando tratadas com alho! Quando esmagado ou moído, o alho libera alicina que é um composto sulfúrico, que é um antibiótico natural. Os soldados durante a I Guerra Mundial, usavam alho esmagado em feridas infectadas sofridas nas batalhas. Se você decidir tomar o alho em forma de comprimido não se esqueça de usar cápsulas de pó. Os processos usados para criar comprimidos de alho destroem a alicina que está presente. 2. O Alho é uma grande fonte de vitamina B6, a qual é necessária para se ter um sistema imunológico saudável e para o crescimento eficiente de novas células. A vitamina B6 também pode ajudar com o humor e melhorar a sua disposição e alegria! 3. Alho pode ajudar na prevenção de vários tipos de câncer. O câncer de bexiga, câncer de próstata, câncer de mama, câncer de cólon e câncer de estômago têm sido demonstrado que têm seus tumores reduzidos quando tratados com alho. A vitamina B6 se diz ter habilidades de combate ao câncer. 4. Alho regula o açúcar no sangue, uma vez que aumenta o nível de insulina no sangue. Isto pode ajudar no controle da diabetes. Consultar um médico se você acredita que o uso de alho pode ajudar na sua condição.
Uma palavra de advertência sobre consumir muito alho, em grandes doses, o alho pode ser prejudicial para a sua saúde e você nunca deve tomar mais do que a dose recomendada. Também estar ciente de que as propriedades do alho realmente entrar em sua corrente sanguínea e é por isso que ele é tão eficaz de muitas maneiras. O que isto significa, no entanto, é que quando você suar, o alho vai deixar o seu corpo através de seus poros. Muitas pessoas que comem mais do que a quantidade normal de alho aumentaram o odor corporal. Considere também outra área de sua saúde quando você optar por consumir mais alho do que seus amigos e familiares. Se você é o único a tomar doses crescentes de alho, também mastigue de um a três raminho de salsa após cada dose de alho, isso é recomendado para combater o agradável aroma de alho em seu hálito! Aqueles ao redor de você vão agradecer por isso! Publicado em Janeiro 2014. Saiba mais sobre SAÚDE em: 1. http://thoth3126.com.br/cinco-alimentos-verdes-com-poder-de-cura-excepcional/ 2. http://thoth3126.com.br/diet-coke-zero-e-mortal/ 3. http://thoth3126.com.br/mais-circo-aumento-no-consumo-de-drogas-sinteticas-e-sem-precendentes-diz-onu/ 4. http://thoth3126.com.br/gengibre-previne-o-cancro/ 5. http://thoth3126.com.br/brasil-o-acai-aparece-para-aliviar-a-aterosclerose/ 6. http://thoth3126.com.br/acerola-uma-fruta-muito-saudavel/ 7. http://thoth3126.com.br/stevia-adocante-natural-e-saudavel-do-brasil/ 8. http://thoth3126.com.br/batons-contaminam/ 9. http://thoth3126.com.br/meditacao-pratica-ganha-aval-da-ciencia/ 10. Permitida a reprodução desde que mantido o formato original e mencione as fontes.
www.thoth3126.com.br Fonte = https://thoth3126.com.br/alho-e-os-seus-beneficios-para-a-saude/ POSTADO POR VÁRIOS ASSUNTOS

terça-feira, 22 de março de 2016

A INTERNET DEU VOZ AOS IMBECIS

A INTERNET DEU VOZ AOS IMBECIS publicado em sociedade por João Lopes Estamos nos levando a sério demais na internet. Os imbecis nunca receberam tanta atenção.
Foto da internet Não é preciso ser nenhum gênio para notar esse fato social curioso que está em curso, após a grande difusão da internet na última década. Idiotas que nunca poderiam ser levados a sério na “vida real” ganharam grande importância em suas opiniões, e todos podem e opinam sobre qualquer assunto e pessoa em seus perfis sociais na rede, que são compartilhados com o público. A internet é parte desse processo de globalização arrojado em que vive a terra desde o fim do chamado Mundo Bipolar, ela trata de conferir uma espécie de sensação democrática em que um indivíduo pode tornar a sua voz audível a um número imenso de outros indivíduos. Isso tudo é de certa forma maravilhoso, porque facilitou e modificou variados tipos de relações independentemente da distância entre as pessoas. No Brasil, o fenômeno tem sido uma experiência sociológica curiosa, porque tem dado a cada um imensa importância em suas opiniões. Quem nunca fez a experiência de ler os comentários publicados no facebook, nas publicações dos perfis de notícias, ou nas discussões de grupos, fóruns e mesmo na seção específica de comentários das páginas, talvez não tenha percebido quão deficiente é a formação educacional e cultural dos brasileiros. Os blogs e vlogs – espaços em redes sociais em que pessoas postam vídeos com opinões etc. – basicamente são os formadores de opinião de uma grande massa de pessoas que utilizam a internet. Discute-se política, economia, religião, sexualidade etc., a partir de frases ou pequenos textos e vídeos contendo meia dúzia de argumentos, às vezes completamente equivocados do ponto de vista técnico e dissociados da realidade. Some-se a isso a quantidade de opinões vazias de qualquer inteligência que lotam os comentários desses espaços. Uma relação muito simples que podemos fazer para compreender o desdobramento completamente vazio de significado da maioria de nossas discussões na internet é trazermos a situação para uma grande praça onde alguém está fazendo um discurso ou apenas gritando frases racistas ou homofóbicas, neste momento ninguém traz consigo um gravador ou câmera para registrar aquilo e depois sair mostrando aos amigos, fazendo campanhas para demonstrar o quão determinada pessoa é retrógrada ou racista, e ainda que neste exemplo alguém gravasse com o seu celular a divulgação seria por meio de alguma rede que utiliza a internet. Há um excesso de prints de comentários de políticos, religiosos e até mesmo de pessoas comuns afirmando coisas completamente inadmissíveis do ponto de vista da sensatez, todavia damos público e palcos para aqueles que sequer mereciam a nossa atenção se estivessem dizendo aquelas coisas, que estão sendo compartilhadas por nós, em uma praça pública. Se a internet se tornou a Ágora do nosso tempo, vivemos em uma democracia completamente imbecilizada pela falta de conteúdo e de raciocínio crítico daquilo que se deve ou não levar realmente em consideração. Falta, de outro lado, um incentivo à retomada da razão crítica, porque, ainda que algum conteúdo pudesse efetivamente ser usado nas discussões em rede, a ausência de capacidade cognitiva da grande maioria dos leitores e espectadores dessas discussões não consegue compreender completamente o que é dito para além do senso comum. Em verdade, nossa sociedade vive o fenômeno da especialização em termos de conhecimento, mas contrariamente a isso, na internet, qualquer pessoa pode refutar o que disse um médico ou jurista, e sempre haverá público para dar atenção a ela, não obstante quão grosseiramente imbecil seja o que ela está dizendo. Além disso, difícil é encontrar uma discussão capaz de se prender a um objeto e trabalhar em cima dele, por isso, geralmente, no final dessas discussões de internet todos estão falando de coisas diferentes e ninguém convencerá ninguém de nada, apenas servirá para estragar a amizade entre aquelas pessoas, se houver. Os livros e o estudo – no sentido clássico do termo – são facilmente trocados por essa espécie de cultura online em que as coisas podem ser ditas em 140 caracteres, vídeos de 15 minutos ou textos no facebook (que serão comumente chamados de textões!). E isso se torna mais dramático quando pensamos que se todos gastássemos as horas que gastamos na internet – sendo o Brasil o país que mais fica horas online – lendo um livro ou se debruçando sobre algum estudo avançaríamos muito como nação, o que melhoraria a nossa política, economia etc. Escrevendo sobre este tema, não posso deixar de lembrar a reação do Chico Buarque ao tomar conhecimento de como funcionava as opiniões das pessoas na internet, vamos nos inspirar nele: (HAHAAHAHAHAHAHA)
JOÃO LOPES Sei um segredo, você tem medo . Saiba como escrever na obvious. © obvious: http://lounge.obviousmag.org/canteiro/2015/10/reacao-do-chico-buarque-ao.html#ixzz43gRQOOA8 Follow us: @obvious on Twitter | obviousmagazine on Facebook FONTE = http://lounge.obviousmag.org/canteiro/2015/10/reacao-do-chico-buarque-ao.html?utm_source=obvious&utm_medium=Article_Column&utm_campaign=Popular_Articles

quarta-feira, 30 de dezembro de 2015

Receita de Ano Novo Para você ganhar belíssimo Ano Novo cor de arco-íris, ou da cor da sua paz, Ano Novo sem comparação como todo o tempo já vivido (mal vivido ou talvez sem sentido) para você ganhar um ano não apenas pintado de novo, remendado às carreiras, mas novo nas sementinhas do vir-a-ser, novo até no coração das coisas menos percebidas (a começar pelo seu interior) novo espontâneo, que de tão perfeito nem se nota, mas com ele se come, se passeia, se ama, se compreende, se trabalha, você não precisa beber champanha ou qualquer outra birita, não precisa expedir nem receber mensagens (planta recebe mensagens? passa telegramas?). Não precisa fazer lista de boas intenções para arquivá-las na gaveta. Não precisa chorar de arrependido pelas besteiras consumadas nem parvamente acreditar que por decreto da esperança a partir de janeiro as coisas mudem e seja tudo claridade, recompensa, justiça entre os homens e as nações, liberdade com cheiro e gosto de pão matinal, direitos respeitados, começando pelo direito augusto de viver. Para ganhar um ano-novo que mereça este nome, você, meu caro, tem de merecê-lo, tem de fazê-lo de novo, eu sei que não é fácil, mas tente, experimente, consciente. É dentro de você que o Ano Novo cochila e espera desde sempre. -------------------- Carlos Drumond de Andrade -------------------- Texto extraído do "Jornal do Brasil", Dezembro/1997.

quinta-feira, 10 de dezembro de 2015

Vacinas: GlaxoSmithKline multada em US$ 63 milhões pelo Reino Unido

Vacinas: GlaxoSmithKline multada em US$ 63 milhões pelo Reino Unido Posted by Thoth3126 on 10/12/2015
Crianças vitimas de NARCOLEPSIA Se as vacinas não causam danos ao cérebro, por que a farmacêutica GlaxoSmithKline (GSK) foi obrigada a pagar US$ 63 milhões para as vítimas de suas vacinas no Reino Unido? Uma vez que o pânico da gripe suína foi difundido em 2009, o que levou mais de 60 milhões de pessoas no mundo a se vacinar contra ela, uma enorme quantidade de pessoas – predominantemente crianças – pelo planeta têm desenvolvido uma série de condições graves de saúde. Tradução, edição e imagens: Thoth3126@protonmail.ch Se as vacinas contra a gripe suína Pandemrix não causam danos ao cérebro, por que é que a Big Pharma GlaxoSmithKline (GSK) foi penalizada com multa de US$ 63 milhões para as vítimas de sua vacina? Por Jennifer Lilley (NaturalNews) – Fonte: http://www.naturalnews.com Principalmente, as lesões cerebrais tem sido a maior incidência; tudo, desde distúrbios do sono, perda de memória, a alucinações e doença mental foram experimentadas por aqueles que receberam a vacina Pandemrix da GlaxoSmithKline (GSK) contra a gripe suína. A maioria dos profissionais médicos e o pessoal da Big Pharma são rápidos para defender e recomendar essas vacinas; é claro que a gigante farmacêutica GlaxoSmithKline (GSK), os fabricantes da vacina contra a gripe suína, Pandemrix, é um jogador-chave a este respeito.
No entanto, eles estiveram sob fogo pesado recentemente e, em vez de sentar-se sob uma protetora atitude “vocês-não-podem-tocar-me”, a gigante farmacêutica foi condenada a pagar cerca de US$ 60 milhões para o governo do Reino Unido depois que foi determinado que sua vacina Pandemrix desempenhou um papel fundamental em causar dano cerebral numa gama de casos. “Sem dúvida” a vacina Pandemrix contra a gripe suína esta conectada a danos cerebrais “Não há nenhuma dúvida em minha mente de que a vacina Pandemrix de início aumentou a ocorrência da narcolepsia em crianças em alguns países – e, provavelmente, na maioria dos países”, diz Emmanuelle Mignot, uma especialista em distúrbios do sono na Universidade de Stanford, que pesquisou sobre os efeitos da vacina. Cerca de 80 por cento das pessoas afetadas têm sido as crianças, mas o grupo farmacêutico GSK continuamente fez vista grossa para os casos. Mesmo quando saiu um estudo mostrando que crianças vacinadas, eram 13 vezes mais propensos a desenvolver narcolepsia, a empresa não admitiu qualquer link com sua vacina Pandemrix. Mesmo quando, em 2011, a Agência Europeia de Medicamentos emitiu um aviso de que pessoas com menos de 20 anos devia abster-se de usar a vacina , a GSK não prestou nenhuma atenção.
Houve um aumento considerável de outras doenças ao longo do processo de vacinação em massa da população, como do Autismo ! Eles sustentam que eles são profissionais dedicados à saúde humana; o site da GSK diz atualmente, “No conglomerado GSK a forma como fazemos negócios é responsável. Nossa missão é melhorar a qualidade da vida humana permitindo que as pessoas façam mais, se sintam melhor, vivam mais tempo.” Claro, diga isso para Josh Hadfield, de apenas oito ano de idade, de Somerset, Inglaterra. Ele tomou Pandemrix e adivinhem? Ele está agora tendo que ser medicado com drogas anti-narcolepsia para ajudar a mantê-lo acordado durante as aulas na escola, algo que custa cerca de $ 15.000 dólares americanos por ano. “Se você fize-lo rir, ele entra em colapso. Sua memória esta afetada. Não há cura”, disse uma mãe desolada. “Ele diz que desejaria que ele não tivesse nascido. Sinto-me incrivelmente culpada por deixá-lo tomar a vacina”. O site da GSK coloca a ênfase na “entrega do desempenho financeiro”
Curiosamente, o mesmo site da GSK que fala sobre a responsabilidade da empresa para ajudar os outros a se sentir bem e viver vida longa e saudável também toca em uma questão mais premente, pelo menos para eles – e é uma que diz muito. Apenas algumas frases abaixo a sua declaração de dedicação ao bem estar e à saúde, em letras de tamanho maior e que se destaca do resto da cópia, declara: “Como nós operamos é tão importante para nós como entregar o relatório do desempenho financeiro.” A declaração é atribuída a Sir Andrew Witty, principal (CEO) executivo da GSK. Então, você tem isso. Isso, meus amigos, é, em poucas palavras, basicamente, o mais perto que vamos chegar a “audiência” em linha reta a partir da própria fonte que todos os grandes conglomerados da Big Pharma realmente tem em mente é a saúde financeira de seus números. É claro que o fato de que a GSK vai ter que pagar os $ 63 milhões de dólares para o governo do Reino Unido para aqueles (imensa maioria SÃO CRIANÇAS) que agora têm seu cérebro danificado depois de receber aplicação da vacina Pandemrix também fala sobre volumes. Ele serve como uma admissão da própria GSK-GlaxoSmithKline de que tomar a vacina é de fato um problema de saúde; caso contrário, por que a GSK estaria tendo que dar dinheiro para aqueles que estão agora com dificuldades graves de funcionar perfeitamente em suas vidas diárias? É que eles realmente sentiam que estavam no direito, eles se mantem firmes e se recusam a fazer qualquer pagamento, certo? “Nunca houve um caso como este antes”, diz Peter Todd, um advogado que representava muitos dos demandantes no reino unido contra a empresa: “As vítimas dessa vacina Pandemrix tem uma doença incurável e ao longo de toda sua vida o que exigirá ampla medicação.”
Espera-se que ainda mais pessoas irão desenvolver lesões cerebrais associadas com a aplicação desta vacina contra a gripe suína, especialmente narcolepsia e catalepsia, doença que faz uma pessoa perder a consciência sempre que eles experimentarem emoções profundas, como o ato básico de se sentir muito feliz e dar risadas! Fontes: http://www.ibtimes.co.uk http://www.gsk.com http://www.truthwiki.org/Vaccine_Fanaticism Mais informações em: 1. http://thoth3126.com.br/vacinas-podem-ser-mortais/ 2. http://thoth3126.com.br/grandes-surpresas-dentro-de-vacinas/ 3. http://thoth3126.com.br/loucura-vira-epidemia-no-planeta-44-milhoes-de-pessoas-estao-dementes/ 4. http://thoth3126.com.br/o-colapso-moral-da-medicina-ocidental/ 5. http://thoth3126.com.br/ebola-pandemia-do-virus-foi-criada-na-africa/ 6. http://thoth3126.com.br/diet-coke-zero-e-mortal/ 7. http://thoth3126.com.br/os-illuminati-parecem-estar-em-toda-parte/ 8. http://thoth3126.com.br/virus-mortal-some-de-laboratorio-nos-eua/ Permitida a reprodução desde que mantido na formatação original e mencione as fontes.
Fonte = http://thoth3126.com.br/vacinas-glaxosmithkline-multada-em-us-63-milhoes-pelo-reino-unido/ ==================================== Technorati Marcas: NÉVEO - VÁRIOS ASSUNTOS

segunda-feira, 2 de novembro de 2015

A presenca extraterrestre na Lua

A presenca extraterrestre na Lua

Posted by Thoth3126 on 01/11/2015

clip_image002

A presença extraterrestre na Lua:

O Programa espacial dos EUA e seus segredos, depois de mais de 50 anos do início do Programa Espacial norte americano surge uma nova leitura da atividade humana no espaço e principalmente em nossa Lua.

Mesmo antes do dia 4 de outubro de 1957, quando os soviéticos lançaram da base de Baikonur e colocaram em órbita nosso primeiro satélite artificial, o Sputnik, aparelhos não identificados já haviam sido detectados e descobertos evoluindo além da nossa atmosfera, quilômetros acima da superfície de nosso mundo.

’’Meu dever é  falar, pois não quero ser cúmplice’’. Émile Zola


Edição e imagensThoth3126@protonmail.ch

A presenca extraterrestre na Lua

Por Marco Antonio Petit: http://www.marcopetit.com/artigos.htm

A primeira dessas descobertas aconteceu no ano de 1953, quando a recém criada USAF, a Força Aérea Norte-Americana, começou a utilizar uma novo modelo de radar, que possibilitava detecções de alvos a distâncias bem superiores às conseguidas até então. Faziam ainda os primeiros testes quando os técnicos captaram um objeto de grandes dimensões evoluindo sobre a região equatorial do planeta a uma altura de 600 milhas. Sua velocidade foi estimada em torno de 18 mil milhas por hora. Pouco depois um outro entrava na órbita do planeta a uma altitude inferior, estimada em 400 milhas.

A partir dessas ocorrências, foi criada em White Sands (uma enorme Base da USAF), no Novo México, em caráter de emergência, um projeto supostamente para a detecção de satélites. O descobridor do planeta Plutão, o astrônomo Clyde Toumbaught, um dos poucos de sua área a declarar publicamente ter visto UFOs, foi curiosamente convidado para dirigir os estudos, que teriam a supervisão da Ordinance Research do Exército.

clip_image003

Estrutura artificial encontrada e fotografada pelos soviéticos na Lua durante a missão Luna 5.

A explicação oficial aprovada pelo Pentágono para divulgação pública dizia que as Forças Armadas estavam pesquisando pequenas luas, objetos naturais que tinham chegado através do espaço e entrado em órbita de nosso planeta. Em 1955, entretanto, a Casa Branca recebia a informação, que um desses objetos havia passado a evoluir em uma órbita mais baixa. Estava orbitando o planeta 50 quilômetros mais próximo, enquanto o outro simplesmente havia desaparecido, deixando as vizinhanças de nosso mundo. Não havia a menor dúvida já nessa época, que estávamos diante de artefatos controlados por alguma forma de inteligência. É evidente que a idéia de objetos naturais entrando em órbita da Terra foi algo apenas para consumo do público.

O Comitê de Segurança Nacional, intimado pelo então presidente Eisenhower aventava a alternativa de se tratarem de artefatos lançados pelos soviéticos, o que em nada servia para acalmar as coisas. Afinal, se eles já detinham tecnologia para colocar em órbita artefatos daquele tamanho, os EUA estavam realmente em grande perigo, pois a tensões entre os dois blocos já era preocupante naqueles tempos.

Mas a verdade é que aqueles objetos detinham uma tecnologia muito além das capacidades soviéticas, como dois anos depois pode ser confirmado, quando finalmente tivemos o lançamento do primeiro satélite por parte dos comunistas: um pequeno objeto metálico. 

clip_image005

Torre fotografada no lado oculto da Lua durante a missão soviética Zond 3.

Desde 1953 outros objetos de origem interplanetária passaram a ser detectados orbitando nosso planeta, ou simplesmente se aproximando dele, para depois desaparecem, e nunca mais serem vistos. Nosso programa espacial passou a ser desenvolvido e planejado já com a certeza de que iríamos encontrar “alguém”, e que a órbita de nosso planeta, e mesmo a Lua, como veremos, já estava, vamos dizer, ocupada.

A partir de nossos primeiros satélites serem colocados em órbita, mas do que continuarmos a detectar a presença dos UFOs na órbita terrestre, teve início um outro processo. Nossos veículos espaciais passaram a sofrer um acompanhamento, e a chegada do homem ao espaço diretamente com Iurí Alekseyvitch Gagárin, por parte dos soviéticos, em 1960, e do norte-americano John Glenn Jr., em 1962, nossos astronautas passaram a ser testemunhas dessa realidade.

Cada nova espaçonave, cada novo desenvolvimento de nossas possibilidades era detidamente acompanhados por esses “olhos misteriosos”, e progressivamente era estabelecida uma censura cada vez mais objetiva, para manter o que acontecia no espaço longe da população.

Antes mesmo de chegarmos ao espaço, na verdade, a simples possibilidade de contato, ou do encontro com artefatos alienígenas já era seriamente considerada, e havia servido para o nascimento de diretrizes e documentos versando sobre o sigilo, que deveria ser mantido a qualquer custo. Na época, a divulgação desses “encontros”, já era considerada um fator de desestabilização da sociedade, e estados de perplexidade da população tinham que ser evitados. Análises dos vários cenários possíveis, a partir de um estabelecimento total da verdade, já haviam sido considerados, e chegavam potencialmente à subversão total da ordem e das instituições.

clip_image006

Se os encontros com os UFOs no espaço já estavam gerando perplexidade dentro dos setores espaciais das duas super-potências, o passo seguinte dessa nossa história foi ainda mais perturbador. Com a sucessão de lançamentos por parte dos EUA e da URSS vários de nossos artefatos, satélites, começaram a apresentar problemas técnicos, o que evidentemente era algo totalmente previsível. O surpreendente é que vários desses depois de lançados, pareciam ser objeto de algum tipo de manutenção ou concerto.

Em agosto de 1963 é realizado em Blacksburg, na Virgínia (EUA), um congresso com os maiores especialistas das ciências espaciais. Um dos objetivos do encontro foi justamente debater os estranhos acontecimentos que estavam acontecendo com os satélites Firely, Telstar I, e Teltar II, que haviam deixado de transmitir em várias ocasiões, para depois voltarem a funcionar normalmente, da mesma forma que outros aparelhos soviéticos.

O cientista Richard Kershner, da Universidade John Hopkins (EUA), declarava na oportunidade, que podíamos pensar que “fantasmas espaciais” estavam dando “uma mão”, reparando os problemas dos mesmos. Como sabemos, coisas desse tipo continuam acontecendo até os dias de hoje, inclusive com nossas sondas enviadas aos planetas de nosso sistema solar.

clip_image008

“Hangares” fotografados pelos norte-americanos (NASA) durante o projeto Lunar Orbiter.

Mesmo antes de Gagarin chegar ao espaço, os soviéticos, que estavam realmente mais adiantados, que os norte-americanos, começaram a lançar seus primeiros artefatos em direção ao nosso satélite natural. Só da série Luna, iniciada em janeiro de 1959, foram 24 missões, que compreenderam tanto passagens nas proximidades de nosso satélite, impactos diretos contra o solo, entrada em órbita, e pousos controlados na superfície. Outra série de naves não tripuladas, a Zond, permitiu aos soviéticos desenvolverem a capacidades de depois de chegarem ao seu destino, a órbita lunar, retornarem com suas espaçonaves à Terra.

Apesar de atrasados em relação aos seus inimigos ideológicos na corrida espacial, os norte-americanos progressivamente foram conseguindo seus sucessos na exploração de nosso satélite. Mediante os projetos Ranger (três missões lunares), Lunar Orbiter, que compreendeu cinco missões, e Surveyor, com sete lançamentos, e vários pousos controlados, obtiveram uma farta documentação fotográfica, e lançaram as bases para a chegada do homem ao nosso satélite.

Nessa altura dos acontecimentos, já havia por parte de uma pequena elite espacial, tanto pelo lado dos norte-americanos, como dos soviéticos, uma certeza: fossem americanos ou russos a chegarem primeiro a Lua, encontrariam já “alguém” muito bem estabelecido.

Algumas das fotografias obtidas tanto pelos soviéticos, como pelas missões norte-americanas, evidenciavam já uma presença marcante de representantes de uma, ou mais culturas extraterrestres, que estavam usando nosso satélite como base. Algumas imagens eram realmente impressionantes. Estruturas na forma de torres, construções apresentando padrões geométricos, crateras cujas formas aparentemente haviam sido modificadas, etc.

clip_image009

Um UFO sobrevoando a Lua durante uma missão Apolo

Algumas fotos mostravam inclusive, que objetos de grandes dimensões, cuja natureza não podia ser ainda estabelecida, haviam sido transportados pelo solo lunar e haviam deixado na superfície de nosso satélite o registro de suas passagens. Isto tudo faziam parte de um contexto conhecido na época apenas por uma minoria privilegiada de nossa humanidade, que planejava o passo seguinte: a chegada do homem a Lua.

UMA PRESENÇA JÁ HÁ MUITO PRESSENTIDA

Na verdade muito tempo antes do início da Era Espacial havia já uma forte suspeita que realmente algo muito especial se passava na Lua. Desde séculos atrás os próprios astrônomos vinham observando fenômenos inusitados em nosso satélite. A observação telescópica, principalmente a partir do século 18, não deixava dúvidas.

Variação nas dimensões de determinadas crateras, aparecimento de pontos luminosos e escuros, que não raras vezes foram observados se movimentando pela superfície, ou acima dessa; aparecimento de cúpulas, ou domos, que da mesma maneira que surgiam, desapareciam, e reapareciam em outros sítios, para depois nunca mais serem observados, fagulhas; sinais de emanação de gases, e até formas luminosas de grandes dimensões, que pareciam ocupar vários quilômetros, etc.. Com o tempo esses fenômenos passaram a ser rotulados e conhecidos dentro da área da astronomia, e posteriormente dentro da pesquisa espacial, como Fenômenos Transitórios Lunares (LTP). Algo pouco objetivo, mas na medida certa para aqueles que não queriam enfrentar de frente a idéia de estarem estudando abertamente sinais de algum tipo de atividade extraterrestre na Lua.

Apesar da possibilidade de uma parte minoritária dos fenômenos, que estão enquadrados nesse estudo, poderem estar realmente relacionados a algo natural, como algum tipo de atividade sísmica, emanação de gases, etc., expressiva parcela das observações, seriam muito difíceis de serem explicadas dentro desse contexto. Na verdade, algumas dessas manifestações, foram tão violentas e evidentes, que chegaram a serem observadas mesmo antes de passarmos a utilizar nossos primeiros telescópios.

clip_image011

Rastros de deslocamento (setas brancas), e os objetos que foram deslocados (setas pretas), fotografados durante a missão Apollo 16 (NASA)

A própria NASA, curiosamente, um ano antes da primeira missão tripulada à Lua (pouso), liberou um documento detalhado que reportava centenas dessas ocorrências, que haviam sido notificadas, e estudadas. A mais antiga remontava ao ano de 1500, cento e dez anos antes de Galileu ter a primeira visão ampliada de nosso satélite natural.

Esses fenômenos normalmente parecem se concentrar em torno de certos sítios ou regiões lunares, como nas áreas das crateras Aristarchus, Copernicus, Kepler, Eratosthenes, Alphonsus, Linné, Tycho, Gassandi, Picard, Grimaldi, Censorinus, Archimedes, Platô, Theophilus, no chamado Mar das Crises, nos Montes Atlas e Píton, etc. Como veremos mais a frente, existe uma clara ligação entre essas áreas especificas e os sinais da presença e atividade extraterrestre posteriormente detectada na Era Espacial.

INTERESSE ANTIGO

Meu interesse pelos Fenômenos Transitórios Lunares não é algo recente. Recordo perfeitamente quando ainda era um pouco mais que um simples adolescente, na época que já me dedicava às observações do céu mediante meus telescópios, tive contato pela primeira vez com o assunto. Nesse tempo, já profundamente interessado na ufologia, percebi logo o potencial em termos de ligação entre essas duas áreas. Tinha já consciência nessa época, que por trás daquela paisagem nem um pouco hospitaleira, poderia haver muito mais que crateras e montanhas para serem observadas. Durante muitas noites realmente me dediquei à observação telescópica de nosso satélite na esperança de ser testemunha direta de alguma manifestação daqueles misteriosos fenômenos, mas não tive tal privilégio.

clip_image013

Vestígios/ruínas de uma construção na superfície lunar misteriosa e de forma geométrica fotografada durante o projeto Apollo

Um dos aspectos que mais me havia impressionado nessa área dos LTPs era a suposta variação de diâmetro da cratera Linné, no chamado Mar da Serenidade, supostamente verificado ao longo das primeiras décadas do século 19. Ainda hoje quando observo a Lua mediante meu atual instrumento, um telescópio Celestron, que permite ampliações de até 500 vezes, é rara a vez que não lanço o olhar em sua direção.

Além de seu diâmetro estimado na atualidade ser inferior ao mensurado antes do início do suposto processo de variação, a referida cratera, como pode ser visto nas imagens mais recentes obtidas por nossos veículos espaciais, apresenta em torno de si uma espécie de anel de poeira branca, que não é achado em torno de nenhuma outra cratera da região.

Esta situação, faz com que o conjunto, formado pela cratera, e este “anel”, seja visto, a partir dos telescópios amadores, situados na Terra, como um ponto luminoso, ou esbranquiçado, dando inclusive a impressão, que a cratera realmente não existe mais. A idéia atual de alguns astrônomos da atualidade revela, que a tal variação, teria sido algo ilusório. É difícil de ser levada a sério tal conjectura, além de menosprezar os profissionais da mesma área do passado, o referido fenômeno foi observado progressivamente ao longo de décadas. Ou seja, houve tempo para uma mensuração cuidadosa do fenômeno.

Meu interesse por esse assunto, já quando fazia ufologia em termos públicos, acabou me levando a fazer inúmeras palestras sobre o tema, que englobavam também as experiências de nossos astronautas, mas com o passar dos anos, de uma certa maneira, e provocado por minha dedicação a outros aspectos da ufologia, deixei esta temática em segundo plano, até que algo realmente me chamou recentemente a atenção para o assunto, fazendo com que eu voltasse a investigar novamente esta área.

Tudo começou quando tomei conhecimento do artigo “Dark Mission: The Secret History of NASA” (Missão Obscura: A História Secreta da NASA), publicada no início de outubro de 2007, no jornal New York Times, onde o Dr. Ken Johnston fazia denúncias graves sobre o processo de acobertamento da agência espacial norte-americana. O cientista havia sido gerente da Divisão de Controle de Dados e Fotos do Laboratório de Recepção Lunar da NASA, durante os esforços de exploração lunar na época do Projeto Apollo. Segundo a matéria, Johnston havia recebido ordens para que destruísse todas as imagens que revelavam de maneira mais objetiva a existência de ruínas e sinais evidentes da presença de tecnologia extraterrena na Lua.

Na época do referido artigo, Johnston ainda fazia parte do programa espacial norte-americano, mas logo em seguida, no dia 23 de outubro, foi demitido sumariamente pela agência espacial, sendo afastado das funções que exercia no famoso Laboratório de Propulsão a Jato (JPL), situado em Pasadena. Poucos dias depois de sua demissão, no dia 30 de outubro, Johnston já prestava um testemunho público em uma conferência no National Press Club, em Washington, em um evento da entidade “The Interprise MIssion”, liderada por Richard C. Hoagland, antigo consultor da NASA e conselheiro científico do canal CBS News durante as missões Apollo. O ex-gerente da Divisão de Controle de Dados e Fotos do Laboratório de Recepção Lunar revelou inclusive, que contra as ordens recebidas, havia preservado parte das imagens mais críticas.

clip_image015

Misteriosa estrutura na borda interior da cratera simetricamente circular refletindo a luz solar (Foto Clementine)

Diante dessas notícias e referências percebi que havia chegado o momento de investigar novamente os arquivos de imagens da agência espacial (NASA), agora disponibilizados mediante a Internet na forma de um número muito grande de páginas. Eu não tinha na verdade a menor idéia do que estava ou não sendo disponibilizado.

De início encontrei uma quantidade muito grande de sites particulares de inúmeros investigadores, que já vinham divulgando imagens realmente reveladoras, mas eu não estava disposto a repassá-las sem uma prévia verificação da seriedade dos mesmos, e principalmente da origem desse material, e para este tipo de trabalho não havia outra opção, a não ser à busca das fotos nos sites oficiais da própria agência espacial, ou em outros mantidos por instituições de pesquisa relacionadas à própria agência, que participam de suas atividades e programas.

Pouco tempo antes desses fatos, curiosamente, a própria NASA, tinha vindo a público, e isto foi divulgado em larga escala pela mídia em geral, para revelar que haviam sido perdidos, estavam desaparecidos os filmes realizados durante as missões do projeto Apollo, que havia levado 12 homens ao solo lunar. Algo realmente inacreditável.

Mas voltando a falar de nossas investigações, pudemos confirmar, que existem realmente muitas fotos do referido projeto que desapareceram, e isto é assumido oficialmente. Os números dessas imagens constam dos catálogos, mas ao clicarmos sobre os mesmos nos deparamos com a informação que elas estão “desaparecidas”. Mas o que mais nos surpreendeu já no início dessas nossas investigações, foi o fato de existirem nos referidos catálogos, imagens ainda extremamente reveladoras, nas quais podemos ver além dos UFOs, ruínas de antigas construções, e sinais da presença dos extraterrestres na atualidade, na forma de outras estruturas artificiais. Mas achar estas imagens não é muito fácil, pois tais fotografias estão entre outras milhares, que não apresentam nada relacionado ao assunto de nosso interesse.

Não há dúvida que o projeto Apollo foi muito mais além do que foi divulgado em termos oficiosos. Maurice Chatelaim, por exemplo, que na época do projeto foi chefe dos sistemas de comunicações da NASA, fez vários pronunciamentos no passado, afirmando que todos os vôos espaciais não só do projeto Apollo, mas também das missões do projeto Gêmini, que permitiu a NASA desenvolver o processo de acoplamento entre naves no espaço, foram acompanhados de perto por veículos espaciais de origem extraterrestre. Chegou inclusive a afirmar, que seus astronautas, receberam ordens para manterem silêncio sobre essa realidade.

clip_image017

Escavação e possível processo de mineração na cratera Lobachevsk 2 (Foto Clementine)

Claramente compatíveis com essas idéias são também as declarações feitas pelo Dr. Glenn Seaborg, físico nuclear, Prêmio Nobel, que na época do projeto Apollo era presidente da Comissão Atômica dos EUA. Segundo suas palavras, proferidas em dezembro de 1969, durante uma visita oficial a Moscou, os astronautas norte-americanos haviam trazido da Lua fotografias, que mostravam traços e vestígios da passagem de criaturas inteligentes pelo solo de nosso satélite. O cientista norte-americano fez menção inclusive a evidências dessa presença fotografados na fase oculta, deixados por alguma classe de veículo, que se movimentava pelo solo.MAIS MISTÉRIOS

Não menos misteriosos foram também os sinais ou variações registradas pelos soviéticos sob a forma de distorções do campo magnético lunar, que eram notadas toda vez que uma nave norte-americana cruzava o limite, o “horizonte lunar”, passando para o lado oculto de nosso satélite natural. Algo realmente de grandes proporções deveria ocorrer para provocar tal efeito. Os soviéticos chegaram a colocar uma espaçonave, a Luna 15, em órbita de nosso satélite para tentar resolver este mistério durante a missão da Apollo 11.

Mas uma coisa parece certa, os astronautas, que chegaram à Lua, travaram contato com uma realidade para a qual não estavam preparados, responsável possivelmente, pelo menos em parte, pelos problemas existências, que a maioria passou a sofrer, após o retorno à Terra.

Desde a primeira missão tripulada a entrar em órbita de nosso satélite, a da Apollo 8, as revelações nas comunicações entre os astronautas, e o centro de controle das missões, não deixava dúvida, que algo realmente importante estava se desenvolvendo, mesmo com a utilização de palavras ou códigos previamente escolhidos, aparentemente para mascarar a verdade Outras vezes foi usado também um canal alternativo, que era totalmente vedado à mídia, onde esta verdade era manifestada claramente.

Nessa primeira missão, por exemplo, depois de um silêncio maior do que o esperado após terem mergulhado pela primeira vez na fase oculta de nosso satélite, James Lovell, comunicou ao centro de controle em Houston, que “haviam acabado de informar que Papai Noel existia”. Esta mesma referência, já havia sido utilizada antes em outras missões para reportar a presença dos UFOs. Outro termo escolhido, também muito usado, era a palavra “duende”.

clip_image019

A cratera Aristarcus e a luminescência chamada de “fenômeno transitório” lunar.

Em uma outra dessas transmissões, também nunca admitida pela NASA, dessa vez interceptada mediante radioamadores, um dos tripulantes da Apollo 17, o astronauta Eugene Cernan, revelava:

“Estou observando mais um bloco, exatamente na parte norte da rampa. É uma pirâmide. Não… Tem a forma triangular… Mas o que é isto? Estou numa espécie de trilha. O que acham disso? E essas coisas voando sobre nós?”.

Só recentemente, por exemplo, o astronauta Edwin Aldrin, resolveu admitir e falar publicamente sobre a presença do UFO que acompanhou a Apollo 11 durante parte de seu trajeto rumo à Lua, descrevendo inclusive em detalhes as manobras inexplicáveis que o aparelho apresentou em certo momento do contato. Segundo Aldrin, o objeto tinha a forma oval. Mas tanto ele como seu companheiro Neil Armstrong continuam a manter segredo sobre o que teria acontecido na Lua, logo em seguida ao pouso. Em uma dessas comunicações censuradas os dois astronautas reportam a presença de naves, e mesmo uma forma de vida.

Uma exceção a esse procedimento ou essa situação de sigilo foram às declarações do astronauta Charles Conrad, tripulante da Apollo 12, à revista romena Scientia. Segundo ele “De um modo geral, o solo da Lua da a impressão de ser intocado. Mas algumas vezes pudemos notar que parecia, que o solo tinha sido revolvido. Em dois ou três desses lugares percebemos também pegadas, como que feitas por pés humanos. Tiramos fotografias desses rastros e nossos especialistas estão agora examinando as fotos”.

Diante do que vimos até agora, incluindo as declarações de algumas personalidades relacionadas ao programa espacial norte-americano, que já citamos, e das imagens, que já estão começando a revelar a verdade da presença extraterrena, é surpreendente o silêncio mantido pelos astronautas. Mesmo o astronauta Edgar Mitchell, o quarto homem a pisar o solo de nosso satélite (Apollo 14), que fala abertamente sobre os UFOs, e na realidade da presença extraterrena em nosso mundo, mantém o mesmo silêncio de seus companheiros quando o assunto é a Lua.

Parece que por motivos sobre os quais poderíamos no momento apenas especular, a presença dos extraterrestres em nosso satélite natural assumiu um nível de segurança, e sigilo, ainda maior do que quando se trata da presença desses objetos, e seres em nosso mundo.

clip_image020

Construções alienígenas abandonadas na Lua e encontradas pela missão SECRETA em conjunto EUA/URSS da Apolo XX.

Parece certo também agora, pelo menos em minha opinião, que o projeto Apollo foi desenvolvido em tempo recorde não apenas para superar pela primeira vez os soviéticos na corrida espacial, mas mediante outros motivos, que só agora podemos começar a perceber. Até então a URSS havia realmente estado sempre na frente desde o lançamento do primeiro satélite. O mais surpreendente diante de tal realidade foi o fato dos soviéticos, mesmo depois de todo o desenvolvimento conseguido, terem abdicado não só de tentarem chegar com naves tripuladas à Lua antes dos norte-americanos, como também nunca mais terem manifestado qualquer pretensão em relação ao nosso satélite, coisa que como sabemos acabou acontecendo com os próprios norte-americanos, que chegaram inclusive a cancelar as últimas missões do próprio projeto (Apollo).

Logo depois, curiosamente, começam as missões conjuntas entre as duas super-potências, mas a Lua parecia não fazer mais parte desses planos. Parece existir algo muito misterioso por trás desses fatos e situações. De uma maneira intuitiva começo a perceber a possibilidade dos norte-americanos terem chegado a Lua literalmente como representantes de nossa humanidade, não em termos de uma retórica consumista, mas de fato.

Depoimentos prestados nos últimos anos, inclusive por militares que estiveram envolvidos com o programa espacial dos EUA, como o Sargento Karl Wolfe, revelam aquilo que já havíamos concluído e declarado no início desse artigo: os norte-americanos, e evidentemente os soviéticos, já no meio da década de 60, sabiam qual era a realidade lunar a ser enfrentada. Wolfe, que na época servia na Langley Field Air Force Base, e fazia parte das atividades do programa de mapeamento lunar, fez recentemente um depoimento público também no National Press Club, durante uma das seções do Disclosure Project, criado pelo Dr. Steven Greer.

Em seu depoimento, o militar revelou como em 1965 foi chamado a um dos laboratórios que processavam as imagens das sondas enviadas à Lua, que estava com um de seus equipamentos apresentando defeito. Sua missão era apenas tentar resolver o problema, mas acabou tendo a oportunidade mediante um outro militar, que o recebeu no local, de ver imagens realmente impressionantes, que revelavam a presença de várias instalações ou bases extraterrestres na fase oculta de nosso satélite. Segundo ele, haviam imagens claras de estruturas apresentando formas geométricas, construções circulares, torres, coisas que pareciam discos de radares, só que eram muito maiores, etc. Em uma outra imagem mostrada a ele, havia um grande número de estruturas agrupadas. Algo realmente totalmente inacreditável, pelo menos em termos daquilo que é conhecido e divulgado oficialmente para a humanidade.

clip_image022

Instalação alienígena fotografada na face oculta de nosso satélite natural pela espaçonave Clementine

MUDANÇAS NO ACOBERTAMENTO

Mas voltando agora finalmente a falar do material fotográfico que esta sendo disponibilizado pela NASA, e pelas instituições norte-americanas relacionadas ao programa espacial do país, a primeira coisa que fica patente é uma mudança na postura do sigilo. Uma quantidade expressiva, na verdade milhares e milhares de fotos dos programas Ranger, Lunar Orbiter, Surveyor e Apollo, estão sendo disponibilizadas, e entre estas, estão várias, que apresentam sinais evidentes da presença de ruínas, e outras estruturas, ou construções na Lua.

Além de ter conseguido localizar várias, que já estavam sendo expostas em outros sites particulares, encontrei outras que não haviam sido ainda identificadas. Até imagens de pegadas que parecem não conferir em termos de modelo e tamanho com as deixadas por nossos astronautas podem ser acessadas, e eu encontrei várias fotos documentando justamente esta realidade.

Mas como já escrevemos no início desse artigo, é necessário dedicação para encontrar esse material mais contundente em meio aos catálogos. Eu mesmo, até o momento, depois de meses de dedicação, só consegui examinar uma ínfima parte da totalidade dessas imagens, mas existem hoje inúmeros investigadores, principalmente no exterior, empreendendo o mesmo tipo de busca. O efeito na parte central da foto oculta provavelmente uma das torres gigantescas fotografadas com alta definição durante a missão militar norte-americana Clementine.

Alguém (um insider dentro da NASA) decidiu que já tínhamos o direito de ver essas imagens, desde que, vamos dizer, sejamos “merecedores” desse privilégio. Esta situação esta sendo oferecida justamente para aqueles que já perceberam, que a verdade é algo muito maior e mais complexa do que aquilo que nos é mostrado oficialmente. Ou seja, estamos sendo convidados de uma maneira sutil, e ao mesmo tempo extremamente inteligente, a participar do processo gradual de revelação da verdade.

clip_image024

Uma fotografia “tratada digitalmente” que pretendeu eliminar a existência de enorme torre na superfície lunar descoberta durante a missão militar norte-americana Clementine.

Mas não devemos ter ilusões. Existe claramente uma guerra subterrânea dentro das instituições e organizações que até agora geriram o processo de sigilo. Mas do que isto, muitos dos seus membros não passam de representantes de uma espécie de poder paralelo, que esta acima inclusive das administrações democraticamente, e legalmente constituídas, sem qualquer tipo de controle, que exerce seu poder em termos planetários. Representam a industria armamentista, os sistemas de produção de energia, e manipulam a ciência para o cumprimento de seus objetivos, mesmo que isto acabe levando o nosso planeta à falência ambiental.

Este grupo é o mesmo que deseja implantar de forma definitiva um processo de militarização no espaço. Algo que certamente não seria e será aceito pelas civilizações extraterrestres presentes hoje não só na Terra, como em outros pontos de nosso sistema solar, como o nosso satélite natural.

O RETORNO A LUA

Em 1994, mais de vinte anos depois do fim do projeto Apollo, os norte-americanos voltaram ao nosso satélite, e dessa vez o envolvimento e interesse militar foi explicito, e teve a participação inclusive da área armamentista. Uma missão concebida, elaborada e implementada, além de financiada, por estes setores. Esta realidade chega a ser irônica, para não dizer assustadora.

No dia 25 de janeiro daquele ano (1994) era lançado a partir da Base da Força Aérea de Vandenberg o Deep Space Program Science Experiment (DSPS), conhecido mais simplesmente como Clementine. Uma espaçonave de alta tecnologia, anos luz a frente de tudo que já havia sido enviado a Lua. Para que se tenha uma idéia do que foi feito, entre sua concepção em termos ainda de design, e o lançamento, se passaram apenas 22 meses.

clip_image025

Foto das ruínas da cidade extraterrestre “A Catedral” encontrada na superfície oculta da lua pela missão secreta da Apolo 20.

O “consórcio” responsável pelas várias fases da missão envolveu o Naval Research Laboratory, Lawrence Livermore National Laboratory, Ballistic Missile Defense Organization e a própria NASA, além da Força Aérea, cuja participação esteve restrita ao lançamento. Um conjunto de forças nem um pouco convencional se pensarmos na exploração pacífica do espaço.

Outro marco nessa missão, antes de falarmos do que ela representou dentro de nossa área de interesse, foram os seus custos. Da concepção a realização ela foi realizada com um orçamento de apenas 80 milhões de dólares. Uma demonstração clara do potencial e da capacidade desses setores em desenvolverem projetos revolucionários. Toda essa história deixou uma mensagem subliminar: o programa espacial poderia passar a ser controlado diretamente pela área militar, com menos dinheiro, e maior capacidade para a obtenção de resultados.

Em apenas dois meses em órbita da Lua a Clementine obteve mais fotografais do que todas as missões anteriores reunidas. Foram obtidas por suas várias câmeras cerca de 1,8 milhões de imagens digitais. Pela primeira vez foi desenvolvido um projeto de mapeamento lunar em várias faixas do espectro eletromagnético, com a utilização de câmeras que trabalhavam na faixa do infravermelho, ultravioleta, radar, além evidentemente de uma câmera para faixa visível do espectro eletromagnético, que também deixava longe suas antecessoras que haviam chegado a Lua.

Não é preciso dizer que o controle das imagens não ficou a cargo da NASA (apenas uma participante secundária do projeto). Por trás de uma postura de atenção e transparência com a mídia em geral, gerenciada ou conduzida em determinados momentos pelo próprio Pentágono, que envolveu a liberação de milhares de imagens, e a divulgação de vários informes científicos, estava em curso a maior operação de acobertamento já estabelecida em missões espaciais.

Parece claro hoje que apesar da existência de interesses científicos louváveis, tamanho envolvimento militar tinha evidentemente interesses que estavam longe de qualquer possibilidade de divulgação, ou mesmo de serem supostos pela opinião pública. Baseada nas descobertas anteriores das várias missões precedentes, a Clementine, foi enviada para a Lua para estabelecer definitivamente a amplitude, e o verdadeiro potencial da presença extraterrena. Um tipo de procedimento necessário e padrão dentro da área da Inteligência. Militar.

O arsenal tecnológico enviado para a Lua permitiu com toda certeza, que os responsáveis pela elaboração do projeto, tivessem todas as informações que faltavam. Hoje em algum lugar dentro da estrutura militar dos EUA existe um “mapa” muito especial onde temos identificadas cada ruína, cada vestígio da passagem no passado dos extraterrestres, e principalmente, cada instalação ou base em operação na atualidade. Mas como conciliar esses interesses com a divulgação de uma missão supostamente revestida apenas de objetivos científicos?

Algumas das imagens liberadas, mesmo após esse processo de manipulação, são extremamente reveladoras. Em várias dessas apenas as estruturas maiores foram “apagadas”, ou encobertas, deixando ainda perceber coisas interessantes, e outras construções menores. Em algumas dessas fotos os objetos ou edificações foram cobertas apenas parcialmente. Mas essa censura não atingiu todas as fotos que seriam do nosso interesse. Algumas dessas não foram, vamos dizer, “tocadas”, e estão disponíveis para serem vistas, revelando realmente sinais mais do que evidentes dessa presença. Existem algumas realmente impressionantes onde podemos observar conjuntos de estruturas que cobrem vários quilômetros de extensão.

clip_image026

Os gestores do programa Clementine tomaram em algum momento uma decisão crucial, evidentemente antes da liberação das milhares de imagens disponibilizadas mediante as páginas e links para acesso público: passaram a manipular o material fotográfico de uma maneira escandalosa, pelo menos as fotos mais reveladoras. Mais isto mais cedo ou mais tarde seria descoberto, como aconteceu. Depois de tudo que já vimos nesse artigo, temos que fazer uma outra indagação: será que até isto não foi planejado, e faz parte do programa que vem sendo desenvolvido para o gradual estabelecimento da verdade?

Apesar da existência de várias fotos documentando esses sinais na face lunar voltada para à Terra, muitas vezes justamente nas áreas onde sempre se concentraram os chamados Fenômenos Transitórios Lunares, as imagens da Clementine não deixam dúvida: os grandes complexos de estruturas, e as maiores edificações estão realmente na face oculta da Lua. Algumas dessas “coisas” se estivessem na face voltada para Terra seriam vistas mesmo a partir de nosso planeta mediante nossos telescópios.

Depois de examinar e ter contato com mais de 200 imagens desse tipo não há como não desenvolver uma visão diferenciada do acobertamento em termos espaciais, e, sobretudo, no que diz respeito ao nosso satélite natural, e já esta na hora de percebermos que este tipo de referência não faz mais o menor sentido. A Lua não é nossa! Talvez tenha sido um dia, e as ruínas encontradas podem estar associadas ao tempo que segundo nossas tradições mais antigas nossos antepassados vindos das estrelas se estabeleceram na Terra, e criaram uma avançada civilização, que segundo essas mesma fontes era capas de viajar pelo espaço.

Não há dúvida que algo de errado aconteceu, afinal a poucos milhares de anos atrás estávamos vivendo em cavernas. Talvez parte de nosso passado esteja lá preservada pela falta de atmosfera, e qualquer tipo de efeito erosivo. Mas para termos o direito de voltar aquele mundo de maneira efetiva temos que desenvolver um outro tipo de ética, e responsabilidade. Pela primeira vez em nossa história recente nossos principais governantes, sejam eles do poder constituído, ou paralelo, descobriram seus limites… O que eles farão diante dessa realidade? (Publicado originalmente em Janeiro 2014)

Marco Antônio Petit de Castro interessou-se por fenômenos envolvendo OVNIs e extraterrestres em 1975 e no ano de 1979 teve seu trabalho documental reconhecido pelos ativistas da área, sendo premiado no Primeiro Encontro Nacional de Teses Ufológicas, no Rio de Janeiro. Acredita que Extra terrestres tenham modificado o genoma humano e participado da evolução.

Para saber mais:

1. http://thoth3126.com.br/apolo-xx-missao-secreta-nave-mae-gigantesca-e-cidade-alienigena-na-lua/

2. http://thoth3126.com.br/nos-descobrimos-bases-alienigenas-na-lua/

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

clip_image028www.thoth3126.com.br

Fonte = http://thoth3126.com.br/a-presenca-extraterrestre-na-lua/

===================

Technorati Marcas:

quinta-feira, 22 de outubro de 2015

Vimanas (antigos UFOs): descoberta uma peça muito antiga

Vimanas (antigos UFOs): descoberta uma peça muito antiga

Posted by Thoth3126 on 22/10/2015

clip_image002

Uma peça manufaturada de Alumínio com a idade de 20 mil Anos, um trem de pouso de um “Vimana” (uma antiga espaçonave) da antiga ÍNDIA – Bharata – foi descoberto.

Alguns estudiosos estão convencidos de que uma antiga e avançada civilização existiu onde a moderna e atual nação da Índia existe hoje. Eles reclamam que as cidades-estado pré-históricas (pré-dilúvio) tinham tecnologias muito avançada, incluindo armas de alta energia, aviões a jato, espaçonaves e até mesmo a bomba atômica.

Tradução, edição e imagens: Thoth3126@protonmail.ch

Uma peça manufaturada de Alumínio com a idade de 20 mil Anos, um trem de pouso de um “Vimana” (uma antiga espaçonave) da antiga ÍNDIA – Bharata – foi descoberto.

By Terrence Aym (Reporter) Contributor profile – Fonte: http://beforeitsnews.com/

Agora, um artefato deslumbrante e fabricado tecnologicamente em passado remoto foi identificado por alguns pesquisadores como uma parte de um conjunto do trem de pouso de aeronaves, datado com cerca de 20 mil anos de idade, e feito de um metal que não foi descoberto pela nossa civilização atual até o início dos anos de 1800.

clip_image004

Por muitos anos, alguns pesquisadores da antiga Índia e da Ásia têm tentado convencer os céticos ocidentais de que os chamados textos religiosas do Rig Veda também são narração de FATOS da história realmente descritiva e autêntica. Dando credibilidade às suas reivindicações existem vários artefatos manufaturados encontrados ao longo dos últimos anos e descrições detalhadas da engenharia de aeronaves vimanas e da sua construção.

A incrível descoberta na década de 1990 dos restos de uma antiga cidade no norte da Índia, cujo local ainda era altamente radioativo enviou alguns arqueólogos correndo para o local da descoberta. 

E então, um artefato muito estranho, o Wedge of Aiud (Cunha de Aiud), descoberta em 1973, foi visto com um novo olhar: uma antiguíssima peça de metal usinado feita de uma liga de alumínio (metal não encontrado na natureza). Originalmente se pensava que tivesse cerca de 400 anos, mas novos e mais modernos testes têm determinado que sua idade é de 18.000 a.C., a partir do Pleistoceno, cerca de 20.000 anos antes da descoberta do alumínio nos atuais tempos modernos. 

Mais estranho ainda, alguns especialistas acreditam que o artefato pode ser parte de um trem de pouso de algum tipo de espaçonave…  Possivelmente de um dos antigos Vimanas  indianos, as  máquinas voadoras descritas nos textos sagrados do RigVeda

clip_image005

As super cidades-estados pré-dilúvio perdidas.

As provas que vem se acumulando durante os últimos séculos acrescenta credibilidade à ideia de que super cidades-estado cresceram na região em algum momento no final da última Idade do Gelo. A melhor evidência para a localização de algumas dessas cidades – que poderiam  ter gerado a civilização pelo mundo se encontra no norte da Índia e sul do Paquistão, e num trecho desolado do deserto de Gobi, na Mongólia, ao noroeste da China.

Essas culturas tão avançados se diz terem possuído uma tecnologia muito elevada, igual e superior em alguns aspectos à do século 21.Textos antigos se referem a edifícios imponentes, vários tipos de aeronaves, um elevado nível de ciência e engenharia, e até mesmo uma arma que os físicos de hoje acreditam que foi usado pela primeira vez nos últimos dias da Segunda Guerra Mundial: a bomba atômica.

Pode ser que essas culturas avançadas se eliminaram umas às outras por se envolver em uma guerra nuclear limitada. Evidências colhidas ao longo das últimas décadas apontam nessa direção. Talvez, depois de uma série de ataques devastadores, a rede remanescente dessas antigas e avançadas culturas desabou, sucumbindo às devastações da depressão econômica, deslocamentos da população (ao abandonar as cidades radioativas) e doença.

clip_image006

Ilustração de um vimana por David H. Childress

As máquinas (Vimanas) antigas que voavam

De acordo com os reverenciados textos indianos dos Vedas, escritos em sânscrito, os Vimanas e ram máquinas voadoras. A palavra vimana é usada ainda hoje na linguagem moderna indiana para se referir a aeronave. Enquanto a maioria dos vimanas eram usados para o transporte através da atmosfera, alguns foram descritos como sendo usados para viajar no espaço exterior, enquanto outros eram uma forma limitada de submarino.

Assim como aeronaves modernas, os vimanas tiveram várias configurações e tamanhos, dependendo do que eles foram projetados para realizar. Alguns tinham dois motores, como a agnihotra-vimana , outros, como a gaja-vimana , tinham mais. Ao todo, podem ter sido tantos tipos como uma dúzia de tipos diferentes de vimanas todos projetados para diferentes fins. A maioria deles voavam. 

Se assim for, os vestígios de uma ou mais dessas culturas pode ter servido para alimentar a lenda da grande cidade de Atlântida que aparece nos diálogos de Platão, Timeu e Crítias escritos por volta de 360 a.C. Após o colapso dessas cidades-estado, o restante da Humanidade caiu na barbárie e conhecimento da tecnologia fantástica se transformou em mito. Este ponto de vista é suportado pelo fato de que algumas das primeiras pinturas nas cavernas revelam um maior nível de sofisticação do que aquelas que foram criadas centenas de anos mais tardiamente. A raça humana regrediu e as glórias das super-cidades estado foi ocultada pelas brumas rodopiantes do tempo. 

clip_image008

Um Ataque atômico … Há 20.000 anos

Vestígios de uma antiga guerra atômica entre avançadas e poderosas cidades-estado ainda permanecem no norte da Índia, Paquistão e em partes do grande Deserto de Gobi, na Mongólia. Os cientistas sabem há muitos anos sobre a extensão de areia vitrificada que cobre uma região do Deserto de Gobi. A areia fundida, de cor esverdeada, só pode ser criada através da exposição a um calor intenso. Geólogos acreditam que a areia se tornou vitrificada pela exposição à ação vulcânica; astrônomos afirmam que um grande meteoro poderia ter feito isso; e os físicos perguntam se o vidro não foi causado por uma explosão atômica. 

Esses três incidentes são as únicas coisas que poderiam ser responsáveis pela existência da região de areia vitrificada, que se situa nos trechos solitários da terra árida. Mas as origens vulcânicas estão fora, pois que não existem vulcões na região.  E também não existe evidência de uma cratera meteórica ou resíduo que seria encontrado se uma rocha do espaço batesse no deserto e deixasse cicatrizes no terreno e queimasse a areia ao ponto de fusão em vidro. 

clip_image010

Vestígios de uma antiga guerra atômica entre avançadas e poderosas cidades-estado ainda permanecem no norte da Índia, Paquistão e em partes do grande Deserto de Gobi, na Mongólia.

O processo de eliminação deixa apenas uma explosão atômica para explicar a estranha condição da areia,  uma região vitrificada onde nada nasce e cresce. Suportando a teoria atômica existe o fato de que uma parte da área do terreno tem um maior nível de radiação de fundo fora da área afetada semelhante. É quase como se algo que existisse na região deserta e foi vaporizado por uma explosão como as explosões que destruíram Hiroshima e Nagasaki. 

Outra descoberta que confirma a existência de uma avançada civilização de cidades-estado tecnologicamente avançada cerca de 20.000 anos atrás, foi a descoberta impressionante dos restos de uma antiga cidade, Mohenjo-Daro, no estado noroeste do Rajastão, na Índia. O local foi encontrado quando começou a construção para o desenvolvimento de novas habitações. 

clip_image012

O local foi encontrado quando começou a construção para o desenvolvimento de novas habitações.

O que surpreendeu os arqueólogos foram os restos carbonizados de edifícios parcialmente derretidos e os esqueletos radioativos que foram cobertos por uma espessa camada de cinzas – confirmado mais tarde como tudo sendo radioativo. As cinzas cobriam uma área quadrada de três milhas. Outra pesquisa mostra que existiam várias cidades-estado principais e que pelo menos duas ou mais estavam em guerra uns contra os outros. Enquanto muita atenção tem sido focada nas pesquisas arqueológicas das cidade-estado do norte da Índia, pouco tem sido gasto investigando os restos da antiga explosão atômica no Deserto de Gobi. 

clip_image013

Sitio arqueológico de Mohenjo-Daro, onde foram encontrados altos níveis de radioatividade e esquelestos radioativos.

A antiga região é considerada por alguns professores universitários locais como sendo uma precursora da civilização mais moderna chamada de Matsya, outro antigo estado da civilização védica. A cultura Matsya acredita-se estar associada a um estado anterior chamado de Jaipur. Outro texto indiano, o Mahabharata , considerado por alguns estudiosos para apresentar mais do que fato de mito, contêm passagens que descrevem em detalhe o ataque atômico sobre a cidade que a equipe de construção acidentalmente descobriu: 

“Um projétil único carregado com todo o poder no Universo … Uma coluna incandescente de fumaça e chamas tão brilhantes quanto 10.000 sóis, subiram em todo o seu esplendor … Ela era uma arma desconhecida, um trovão de ferro, um gigantesco mensageiro da morte, que reduziu às cinzas uma raça inteira. “Os corpos estavam tão queimados a ponto de ser irreconhecíveis. Seus cabelos e unhas caíram, a cerâmica quebrou sem causa aparente, e os pássaros ficaram brancos . “Depois de algumas horas, todos os alimentos estavam infectados. Para escapar deste fogo, os soldados se jogavam no rio.”

clip_image014

Esqueletos com radiotividade  de pessoas mortas em explosão atômica na antiga Índia.

Essa antiga conflagração atômica descrita no livro sagrado do Mahabharata foi tão terrível e mortal como o ataque sobre as cidades japonesas de Hiroshima e Nagasaki em agosto de 1945. Apesar do texto sugerir o ataque de uma arma nuclear por um míssil, antigos escritos indianos também descrever em detalhes surpreendentes, as máquinas voadoras chamadas vimanas . Os textos descrevem as características de vôo, a construção, o grupo motopropulsor (um híbrido jato foguete movido por motores de plasma de mercúrio), e especificações de engenharia dos Vimanas. A misteriosa Cunha de Aiud pode ter vindo de um vimana

clip_image015

O Enigma do trem de pouso de alumínio de um “Vimana” com 20 mil anos: ‘A Cunha de Aiud’

Perto das pitorescas margens do rio Mures localizado a pouco mais de uma milha a leste da pequena cidade de Aiud, na Roménia, um artefato bizarro foi descoberto apelidado de Cunha de Aiud. O Pesquisador Boczor Iosif investigou a respeito encontrou a informação de que a cunha foi descoberta debaixo de 35 pés de areia. Dois ossos de mastodonte alegadamente também se encontravam perto da cunha. 

Um relatório de Lars Fischinger declara que ele e um colega, o Dr. Niederkorn, analisaram a cunha no Instituto de Pesquisa e Design. Eles determinaram que o artefato era de uma liga metálica composta de 12 metais diferentes. 

O relatório lista que o alumínio era o metal com a maior composição com cerca de 89% do objeto, o resto dos metais eles listaram como sendo: 6,2% de cobre, 2,84% de silício, zinco 1,81%, 0,41% de chumbo, estanho 0,33%, 0,2% de zircônio, cádmio 0,11%, 0,0024%  níquel, 0, 0023% de cobalto, bismuto 0,0003% , de prata 0,0002% e vestígios de Galium. ” 

clip_image016

Florian Gheorghita, segurando a Cunha de Aiud

Os resultados do teste confundiram os dois pesquisadores pois que o metal alumínio não foi descoberto até o início dos anos de 1800. O Dr. Fischinger observa que a produção comercial de alumínio requer a fundição do minério em temperaturas de até 1.000 graus Fahrenheit.

Inicialmente, o objeto foi pensado para ter apenas cerca de 400 anos. Isso mudou drasticamente quando ele foi analisado cuidadosamente na quantidade de oxidação que cobre a cunha. Eles reajustaram a idade da peça em milhares de anos a mais para o passado.

É agora estimado que a Cunha de Aiud pode datar de 18.000 a.C. e essa data coincide com a idade dos vimanas descritos nos Rig Vedas da antiga ÍNDIA. Após os resultados do teste das analises, a cunha foi enviado para o Museu de História na Transilvânia, Romênia, onde hoje se situa em uma prateleira, sem perturbações, por mais de duas décadas.

Finalmente, em 1995, outro pesquisador romeno, Florian Gheorghita, se deparou com o artefato no porão do museu. A cunha foi testada novamente. Desta vez, em dois laboratórios diferentes: o Instituto Arqueológico de Cluj-Napoca e um laboratório independente na Suíça. Os testes confirmaram os resultados a que chegaram Fischinger e Niederkorn. 

clip_image017

Esboço por Florian Gheorghita do artefato em questão

Gheorghita escreveu na publicação Ancient Skies que pediu a um engenheiro aeronáutico para estudar o artefato. O engenheiro observou a configuração e o buraco perfurado na cunha e afirmou que um padrão de escoriações e arranhões no metal o levou a acreditar que a peça era parte de um trem de pouso de uma aeronave. Um esboço foi feito para ilustrar a configuração.

Uma vez que as antigas cidades-estado tinham um sistema de transporte avançado talvez até mesmo com veículos espaciais – era fácil navegar pelo mundo apenas como as “aeronaves modernas” fazem hoje.

A evidência de engenharia metalúrgica apoia a teoria de que a misterioso Cunha de Aiud é um pedaço de um trem de pouso, que caiu de um vimana antigo há cerca de 20 mil anos atrás na atual Romênia e ficou soterrado por milênios sob os bancos de areia do rio Mures, que o  engoliu. Talvez um dia a terra venha a revelar mais de seus antigos segredos, espero que seja um vimana inteiro – e intacto.

clip_image018

Esboço por Florian Gheorghita do próprio artefato

UPDATE: Um  leitor do Beforeitsnews, John Cooper, chamou minha atenção para uma foto que ele postou em sua página no Facebook ( clique aqui para ver em tamanho real a foto ). 

Esta é uma construção modular para um conjunto do trem de pouso. Observe as semelhanças entre os footpads do trem de pouso em sua foto e a semelhança dos esquemas de engenharia feito por Florian Gheorghita da Cunha de Aiud.

clip_image019

Esta é uma construção modular atual para um conjunto do trem de pouso.

Muitos agradecimentos a John Cooper por fazer esta foto disponível para os  leitores do nosso site. – Terrence Aym. (Publicado originalmente em Abril 2014)

Mais informação sobre VIMANAS: http://thoth3126.com.br/vimanas-ufos-da-antiga-india-baratha/

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

clip_image021www.thoth3126.com.br

Fonte = http://thoth3126.com.br/vimana-antigo-20-mil-anos-trem-de-pouso-descoberto/

--------------------------------------

Technorati Marcas: